22.12.09

Turbulências de final de ano

Não gosto deste período de festas. Como não sou cristão nem consumista o natal não me diz muita coisa.
Às vezes fico depressivo com tanta movimentação e consumo. São tantas pessoas que não podem entrar nessa festa...
A profissão também não ajuda. Normalmente é o período de formaturas dos alunos da escola básica. Atuo no Ensino Médio faz algum tempo e é neste período que nos despedimos de algumas turmas – cliquem aqui para ler sobre isso –, aquelas que encerram este ciclo. Normalmente depois de acompanhá-los por três anos, pelo menos, isso nos faz tristes, pelo distanciamento, e felizes pelo sucesso desses meninos e meninas com os quais trabalhamos com tanto zelo.
Outra marca da profissão – para aqueles que lecionam em escola privada – neste período é a tão temida demissão.
Aí a gente tem que sacudir a roseira, correr atrás e preparar-se para outra realidade e novas vivências.
Isso explica minha ausência nesta última semana.
Agora, com tudo calmo, vou tratar de cumprir promessas.
Em outubro escrevi um texto apontando as maiores qualidades que via neste governo. Cliquem aqui para lê-lo.
Prometi escrever um com iguais defeitos.
Recebi uma sugestão de uma ex-aluna: questão ambiental. Um amigo, também professor de Geografia, destacou a o mesmo tema e adicionou a questão agrária. Outro colega destacou o distanciamento entre o que o PT pregava e o que fez, uma vez no governo. O último comentário, registrado na postagem, diz respeito às alianças para compor a chamada “base aliada”.
Penso que são bons temas para começar a escrever, alguma outra sugestão?

4 comentários:

Miguel Grazziotin disse...

Caro Prof. Toni
Eu teria muito cuidado com o tema: O que o PT pregava e o que fez no governo. Esta afirmação traz consigo subliminarmente uma cobrança capciosa. O PT, partido, é uma parte, minoritária do governo federal. No ultimo congresso do partido, todas as veias socialistas forma reafirmadas. Quanto ao gov. federal, bom se um partido minoritário, e todos sozinhos o são, não fizer acordos e concessões, bom então não governará. esta afirmação de cobrar masi PT no governo federal só é justa se vier de um filiado. De fora, esta é e será na próxima campanha, uma cobrança da Direita, em cima dos despolitizados que nao entendem que o governo federal é um governo com o PT e não do PT.
Note, caro prof. que geralmente quem cobra mais PT noas decisões são aqueles mais ferrenhos adversários do socialismo. Esta é uma armadilha que o nobre amigo não pode cair.
Um abraço

Prof Toni disse...

Tens razão na quase totalidade de sua argumentação...

Carlos Renato disse...

Caro Toni

O fim de ano e suas festividades são péssimas, aliás como todas datas comemorativas, que são apenas pretextos para aumentar o consumismo de alguns e a exclusão de outros.Infelizmente essa é a tônica de nossa sociedade capitalista e mesmo nós que nos intitulamos socilaistas, comunistas ou esquerda em geral acabamos partcipando mesmo quew indiretamente disso tudo... beira o ridiculo a sensação de euforia e os gastos que endividam as pessoas nessa epoca.
Sobre o governo fedral, vejo duas áres muito critcas:
a questão agrária, desde a reforma agrária e o agronegócio
a saúde: apesar de não ser pior que o (des)governo anterior, não vi grandes avanços, foiu uma área que me decepcionou muito

Miguel Grazziotin disse...

Caro Prof.Toni
Tive que me manifestar novamente, pois concordo com o Carlos Renato.
A questao agraria simplismente nao andou.
O ano passou e os novos indices de produtividade do campo nao foram aprovados.....
Um abraço