11.1.07

Clóvis Rossi: seria um caso para a psiquiatria?

Na Folha de S.Paulo de ontem o artigo do senhor Clóvis Rossi começou bem, provocador e polêmico como sempre.
Uma no cravo e outra na ferradura ao tratar das declarações do presidente Venezuelano, por ocasião de sua posse, principalmente no tocante ao socialismo e a nacionalização de alguns setores da economia.
No final do artigo voltou à velha forma: ataque direto ao governo Lula.
Escrevi ao painel do leitor e tive minha carta publicada apenas no setor on-line.
Para dirimir dúvidas reproduzo abaixo o texto do citado senhor e a seguir minha humilde intervenção.

Clóvis Rossi
Quem late morde
SÃO PAULO - Ao apresentar estudo sobre a Venezuela para o Council on Foreign Relations, há pouco, o jornalista Richard Lapper, editor de América Latina do "Financial Times", definia o presidente Hugo Chávez como quem, até então, latia, mas não mordia.
Alusão, como é óbvio, ao fato de que a retórica incendiária e até revolucionária de Chávez não era acompanhada de uma administração igualmente revolucionária.
Agora, Chávez morde. Não, a mordida não está dada pelo tal "socialismo do século 21", embora seja essa expressão a que causará mais faniquitos nos setores hoje ideologicamente dominantes.
Não me assusta por dois motivos:
1 - Não sei do que se trata, mas, se é do século 21, deve ser diferente do fracasso que foi o do século 20 (o único socialismo real conhecido);
2 - O capitalismo adotado na Venezuela no século 20 foi também um baita fracasso, tanto social como econômico e ético. Só por isso surgiu um Chávez e, por extensão, o "socialismo do século 21".
A mordida grave, portanto, não está dada, acho, por estatizar ou não a energia e a telefonia. O grave é morder a democracia.
Neste capítulo, as mordidas são várias. A saber: a não-renovação da concessão a um canal de TV (que foi, sim, golpista, mas é algo que, na democracia, se resolve ou na Justiça ou no controle remoto à mão de cada espectador); a nomeação para vice-presidente de um funcionário da Justiça Eleitoral logo depois de uma eleição em que, como todas, houve queixas e dúvidas sobre a legalidade e/ou legitimidade de certos atos, ainda que a vitória de Chávez tenha sido incontestável; o projeto de reeleição eterna, que está mais para Stroessner/Somoza do que para "socialismo do século 21".
O governo Lula, que engoliu todos os "latidos" de Chávez, vai engolir também as "mordidas"?
(http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz1001200703.htm)

Minha pequena contribuição:
"O sr. Clóvis Rossi continua sua cruzada anti-Lula de maneira patética ('Quem late morde'). Com o intuito de comentar as declarações do presidente Hugo Chávez por ocasião de sua posse, termina perguntando: 'O governo Lula, que engoliu todos os 'latidos' de Chávez, vai engolir também as 'mordidas'? Quais mordidas? Será que espera que o presidente Lula use tropas para invadir a Venezuela e impor a 'liberdade e democracia' de acordo com o pensamento médio-medíocre vigente em grande parte das redações tupiniquins?"
ANTONIO CARLOS DA SILVA (São Paulo, SP)
(http://www1.folha.uol.com.br/folha/paineldoleitor/ult3751u240.shtml)

Um comentário:

Vinícius disse...

Professor, interessante sua crônica. Eu encuqueui também com a mesma crônica do Rossi. Na maior parte das vezes, eu não gosto das colunas dele. Esta em específico, chamou minha atenção pela ingenuidade de uma solução por ele apontada. Como se desligar a televisão fosse uma medida contundente na manutenção da democracia. E mais: de que adianta tanta "instituição democrática" se materialmente somos uma ditadura travestida de democracia? Abraços. VMP