15.4.08

VALE USA MST PARA ABAFAR PROTESTOS DE SEUS FUNCIONÁRIOS GARIMPEIROS

Por Coordenação Estadual do MST-PA

1- O MST-PA esclarece que não realizou protesto contra a mineradora Vale nesta quarta-feira (9/4), como divulgou a empresa, nem participa da organização do acampamento montado às margens da Estrada de Ferro Carajás (EFC).

2 - O acampamento montado às margens da Estrada de Ferro Carajás é do Movimento dos Trabalhadores e Garimpeiros na Mineração (MTM), que fazem uma jornada de lutas em defesa dos direitos dos garimpeiros e contra a exploração imposta pela Vale.

3 - O fechamento da portaria que dá acesso à mina do grande projeto de exploração de ferro Carajás foi realizado por operários da Vale e das empresas terceirizadas prestadoras de serviço, que cobram melhores condições de trabalho da maior empresa privada da América Latina. A principal reivindicação é o pagamento da multa de R$ 109 milhões que a Vale deve pagar por danos morais aos operários das mais de 100 empresas terceirizadas, que prestam serviço à mineradora. A sentença foi dada pelo Juiz Federal da 8ª Vara do Trabalho de Parauapebas, Jhonathas Santos Andrade.

4 - A Vale atribuiu ao MST esses protestos para esconder da sociedade que diversos setores populares fazem manifestações contra a diretoria da mineradora e pela reestatização da empresa, que trabalha com recursos naturais que pertencem ao povo brasileiro.

5 - O MST apóia as manifestações que denunciam a responsabilidade da Vale por suas ações criminosas e danos sociais, impostos às comunidades rurais que vivem em torno das suas instalações, aos garimpeiros e seus trabalhadores. A Vale comete crimes ambientais e sociais, sendo a empresa campeã em multas do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

Coordenação Estadual do MST-PA


Fonte: Fazendo Média

4 comentários:

Quim disse...

Reestatização da Vale?

Piada, né?

Prof Toni disse...

Acho impossível a reestatização, mas que a privatização foi um puta roubo, isso foi!

Prof Toni disse...

O Quim, o centro do texto não é a reestatização, mas a forma torpe como a Vale a Mídia atacam e usam o nome do MST, no atacado e no varejo.

Quim disse...

Eu sei. É que eu ignoro o MST hehehe