30.9.06

A mídia venceu: vou votar no Lula!

Depois de abrir o UOL, antevendo a manchete da Folha de S.Paulo para amanhã, resolvi: vou votar!
Não suporto a idéia de ser obrigado a fazê-lo, essa lei é anacrônica e estúpida, mas pior é ver a eleição sendo decidida pelo golpismo da imprensa!
Não consigo deixar de pensar em 1989, quando a Globo fazia o serviço sujo, secundada por órgãos da imprensa escrita.
Claro que este Lula e este PT não se parecem nadinha com o de 1989. Já a mídia...
Penso que meu voto não refrescará em nada, mas não contribuirei com esses tontos e menos ainda com a hipótese de ver o Brasil governando pela OPUS DEI.
Entristecido, emputecido, torcendo o nariz, vou à seção eleitoral amanhã para cravar o 13, espero que pela última vez!

8 comentários:

Anônimo disse...

Caro professor. Sem desmerecer a sua opinião, mas recebi hoje 2 e-mails seus. Um que você escreveu que não iria votar de acordo com uma promessa e o outro, um convite à leitura de seu blog no qual o Senhor se rende à votação.
Fiquei muito triste ao ver meu ex-professor de geografia com tantas opiniões e vivências políticas estar tão decepcionado com o cenário político brasileiro.
A mídia é o quarto poder (executivo, legislativo e judiciário) e disto eu não posso discordar do Senhor Ela - a mídia - constrói ícones para depois destruí-los e a Globo tem o prazer de dilacerar ícones, pois isto "dá" Ibope. Conheço muito de perto que este poder não é finito.
Mas não entendo você escrever para pessoas/alunos na condição de formador de opinião, ou melhor, professor de idéias, se dar ao luxo de ter uma ideologia em meio à atual conjuntura social na qual estamos inseridos.
Até pouco tempo atrás eu dava importância às ideologias políticas. Porém depois que vosso presidente foi desmascarado (graças a Deus!!! Pelo famigerado quarto poder) repudio pessoas que restringem seus votos a partidos por ideologias!!!
Acho que nossa ideologia deve ser focada num país melhor. Quando TODOS tiverem condições básicas e orgulho do governo, poderemos discutir ideologias. Minha ideologia foi por água à baixo quando vi todos os brasileiros terem vergonha de brasileiros serem! Isto não pode continuar! Como já pude deixar subentendido, minha ideologia é tirar este governo corrupto e que TINHA uma ideologia! Uma ideologia muito bonita, embora incompatível com a minha, e cadê esta ideologia? Parece que tomou o mesmo caminho da sua quando no mesmo dia escrever que "resolveu" votar.
Tenha vergonha e faça algo para o Brasil. Exerça sua cidadania e vote SIM! É uma obrigação dos brasileiros e amanhã, pense se o partido que era (escrito no passado propositalmente) ideológico ainda merece seu voto.

Muito obrigado por sua atenção e tenha uma ótima noite.

Ass.: um ex-aluno.

Anônimo disse...

Só espero que o Senhor publique minha resposta. E que a encaminhe para vossa lista de amigos, a mesma que mandou as mensagens anteriormente.

Isto para que a DEMOCRACIA se fortaleça!

Umgrande abraço.

Prof Toni disse...

Querido Anônimo (nem estranho!),
para que a democracia se fortaleça as pessoas precisam aprender a assinar o que escrevem, em primeiro lugar, depois a respeitar a opinião dos outros, inclusive no tocante à ideologia.

Regina disse...

O que sei e que respeito e admiro em ti é que a tua consciência é o teu guia.

Nestes dias obscuros que tivemos e ainda teremos muitos pela frente, o que pretendi fazer no meu pequeno espaço público, foi um contraponto a uma mídia parcial.

Nós(eu e tu) sabemos, que em todas as nossas abordagens, sobre todos os assuntos, procuramos sempre pesquisar, estudar e expôr os dois lados, as duas versões dos fatos, e é isto que nos torna um pouco mais seguros em nossas opiniões e não meros receptores de uma mensagem pré-definida, feito autômatos sem capacidade crítica.

Não sei o que o futuro nos reserva, nem tenho absoluta certeza se o que vou fazer é certo, só que, assim como tu, deixo-me guiar pela consciência e pelo coração. E também, por ter quarenta e dois anos, ter vivido uma ditadura sendo filha de militar, onde em casa meus irmãos tinham que ter o cabelo cortado ao estilo cadete, pois para meu pai ser cabeludo e/ou barbudo era sinônimo de subversivo. Por ter vivido a abertura política, a campanha das diretas já, ter sido uma cara-pintada para tirar o Collor, ter sobrevivido à era Sarney, ter engulido um FHC, ter me decepcionado com o Lula. De tudo que está aí, entendo que o Lula seja o menos pior.

Até pensei em dar um voto acéfalo, mas depois de ver todo este jogo midiático e golpista, onde querem a reboque eleger um presidente baseado em espetáculos virtuais. Um homem que enterrou 69 CPIs em SP, que, acomodado não agiu para enfrentar com energia e coragem os bandidos do PCC deixando no colo do seu vice, Cláudio Lembo, uma bomba e virando-lhe às costas, como se não fosse com ele. Entre este gerente e aquele operário, fico com o operário.

Abraço e bom domingo!

Ana Carolina disse...

Muito bom Toni.Vejo que não estou sozinha nesta campanha contra a mídia que cria tucanos em casa. Vamos lá.Sou petista e triste com o que acontece no meu partido...mas como vc também digo OPUS DEI não, mídia que trata a população d aforma mais medíocre que vi não!
Muito bem querido!

Ana Carolina disse...

...Postei teu texto no meu blog

Fernanda Soares disse...

Ufa, Toni! Fico satisfeita de vê-lo reconsiderar sua decisão de não votar. Espero que outros, que se diziam dispostos a anular o voto ou a votar em HH ou Cristóvam, tenham feito o mesmo, e repensado a questão tendo em vista o momento histórico. Essa polarização que agora ocorre, com a candidatura tucana recebendo o tradicional empurrão da mídia, me faz lembrar as eleições de 89 e o reacionarismo collorido. Então, nesses momentos de tensão e expectativa sobre o resultado do 1º turno, lhe escrevo pra registrar que é boa a notícia de tê-lo do mesmo lado, de novo. Abraço, Fernanda

Prof Toni disse...

Fernanda, nunca mudei de lado, você sabe, a questão é estratégica, de um lado, e falta de horizontes de outro, mas não dá pra ficar parada ante o preconceito dessa elite vagabunda (com todo respeito às vagabundos e vagabundos do Brasil).