17.7.07

Pequena Jade, grande Jade

Ontem a decepção da atleta Jade Barbosa me deixou sorumbático.
Aquele choro de criança triste, aquele sorriso lindo que teima em pouco aparecer, saltaram aos olhos dos telespectadores dos Jogos Pan-Americanos Rio 2007 (os jogos são do Rio, mas quem paga a conta somos todos nós).
A postura da torcida brasileira foi assombrosamente horrorosa! Qual a razão das vaias para as atletas estadunidenses?
Por que vaiá-las? Por que estavam perfeitas, com poucos erros e assim eram grandes candidatas às medalhas, fato confirmado após as apresentações.
Lembro-me de Daiane dos Santos despontando neste mundo de concorrência acirrada e de perfeccionismo extremado.
Competindo em outros países lembro-me da TV mostrar a platéia aplaudindo em pé os movimentos dessa linda estrela negra. (Clique aqui para ver um estudo biomecânico do salto duplo twist carpado).
Que contraste miserável quando lembramos das vaias de ontem dadas às atletas norte-americanas.
Assim mesmo Jade Barbosa brilha! Mas erra, como todos os seres humanos, super-atletas ou não.
Uma menina de 16 anos perante uma platéia mal educada, querendo ver o Brasil somar medalhas a todo custo!
Bem diz o Sócrates, grande jogador de futebol do século passado, que falta-nos o esporte como prática escolar obrigatória, assim seríamos educados porque então poderíamos compreender as dores, físicas e psicológicas dos grandes atletas.
Algo me diz que Jade, com toda a sua timidez, com aquele lindo sorriso contido ainda subirá mais uma vez no pódio, de preferência no ponto mais alto. Ela merece e a ginástica brasileira também merece.

3 comentários:

R.C disse...

Nossa, realmente horroroso isso, realmente o Brasil nao merece eh porra nenhuma to achando, E ainda querem dar 2014 pra gente? Pqp... Estou cada dia mais anti-patriotico...

abrax

RF

Nívea disse...

corcordo com sua opnião professor, e como profecia não demorada ela (Jade) subiu hoje ao ponto mais alto.

Prof Toni disse...

Pois é, esse negócio de Copa e Olimpíada é pra quem tem dinheiro sobrando.
Nívea, algo me dizia que seria assim, ainda bem, caso contrário ela seria "enterrada" viva como atleta, é assim que nós agimos...