22.10.06

Votar em Lula ou permitir o retrocesso

Alguns alunos e amigos têm me cobrado com insistência a minha opção e declaração de voto em Lula, já no primeiro turno inclusive.
Embora não dê muita importância a mim mesmo, imagino necessário firmar aqui alguns esclarecimentos.
Começando pelo princípio. Continuo firme na defesa do voto livre, essa obrigatoriedade de comparecer às urnas é uma excrescência, um absurdo! Em 2004 não votei nas eleições municipais e gostaria de ter repetido a ação nestas eleições, só não o fiz por causa das armações da mídia e do conservadorismo representado pela candidatura de Geraldo Alckmin.
Sempre fui crítico com relação a esta visão de que exista um “salvador da pátria”, um “pai dos pobres” ou qualquer coisa parecida. Quando militante dentro do Partido dos Trabalhadores – até 1995 – sempre me bati contra essa opção messiânica.
Partilho daquela visão, fartamente ilustrada nas obras do socialismo, de Marx à Hobsbawm, de que somente a participação popular, por meio das suas associações e com muita criatividade, poderá de fato mudar alguma coisa.
Pois bem, quais são as opções colocadas neste segundo turno?
A candidatura do PSDB/PFL representando o que há de mais arcaico em termos de capitalismo, pendurada no coronelismo caboclo, somada a determinada elite econômica, responsáveis pela situação de atraso e miséria do nosso país, uma vez que sempre estiveram no poder, pelo menos uma banda da coligação.
Governaram o país por 8 anos consecutivos, contado apenas o período “puro-sangue”, sem contar as formações partidárias anteriores, aí já vai pra coisa perto de 21 anos!
Em São Paulo estão no poder há 12, também contado o período puro-sangue, se somado o período peemedebista, partido do qual nasceram os tucanos em 1988, são 24 anos!
Durante esse tempo sempre contaram com o benefício de uma mídia simpática às suas ações, fossem políticas, econômicas ou mesmo nos desmandos.
A outra opção é a candidatura de Lula para um segundo mandato. O primeiro recheado de erros no tocante aquilo que imaginei ser a boa política, voltada para o povo. Continuamos a pagar a dívida externa, religiosamente, a educação continua mais ou menos na mesma, embora tenhamos que considerar alguns projetos como o Pro-Uni, a saúde pública melhorou de forma irrisória e a reforma agrária não saiu da timidez conservadora, como ocorre desde a “Nova República”.
Então minha opção por Lula tem duas pontas, uma é impedir o retrocesso ao reinado do tucanato/pefelê, agravado por uma figura muito pior do que a média tucana que é o picolé de chuchu. Outra é o reconhecimento mesmo que tímido, da ocorrência de alguns avanços no setor social durante o governo Lula.
Saliente-se ainda, que ele não transformou os movimentos sociais em caso de polícia, como foi o caso da maioria dos governos deste país nos últimos 40 anos!
Isso implica desconhecer os desmandos petistas e da tal base aliada? Claro que não! Ou negar o deslumbramento ridículo de fatias do governo com o poder? Claro que não! Ou ainda fingir que não há corrupção neste governo? Claro que não!
Agora não posso aceitar que Heráclito Fortes, ACM, FHC, Geraldo Alckmin, Arthur Virgílio, Garotinho etc. venham dar lições de ética na política ou insinuar, junto com 99% da grande mídia, que a corrupção começou ou é a maior de todos os tempos neste governo.
Por isso minha opção por Lula é, na verdade uma opção contra a outra candidatura, conservadora, impregnada de reacionarismo, pregadora de um falso moralismo idiota.
Também é uma opção contra a mídia conservadora e contra aqueles que dizem que quem vota em Lula é analfabeto ou a parte atrasada do país e quem vota em Alckmin é culto ou a parte moderna do país.
Sinto muito, mas não quero pertencer a esta modernidade!

3 comentários:

Cris disse...

Semana passada perdi 35 minutos do meu dia discutindo com uma profê do Mack sobre essa idéia estúpida de que só analfabetos, pessoas burras e atrasadas votam em Lula... vou mandar esse texto pra ela, mesmo sabendo que não adiantará bulhufas, sabe como é: pessoas verdadeiramente atrasadas e burras não mudam nunca de opinião! rs

Vitor disse...

e ae professor vo começa a atormenta aqui de vez em quando...haha entao concordo com muita coisa que você disse mas também discordo de tantas outras... Sobre a gamecorp concordo inteiramente com o que voce falou ainda mais que tenho um parente que trabalha la sei que a veja fez um jornalismo de criticas sem provas como acotnece de vez em quando... mas acho que os 8 anos aue tanto criticam do FHC na verdade nao os 8 e sim os 4 primeiros nao foram tao ruins, porém a critica petista fez mais uma oposição destrutiva que construtiva pelo menos na minha opinião...Lógico que mesmo assim os governos forma longe do ideal mas tem coisas no governo Lula que deixaram bastante assustado como algumas medidas eleitoreiras logo antes das eleições como pagar metade da aposentadoria enquanto a previdencia continua na situação ruim e essa emdida so piora entre outras... alem disso durante este governo a oposição sindical e do mst foi bem mais branda o que facilita também governar... eu ainda acho que os 4 anos do governo do alckmin nao foram tao ruins em São Paulo... também gostaria de falar sobre a campanha do Lula também se basear na ignorancia do povo para ganhar alguns votos como falando que o governo vai privatizar tudo... é claro que o PSDB fez privatizações no Governo federal com FHC e no Estado com alckmin porém nao fizeram loucuras... algumas concordo foram equivocadas mas existem outras como a telefonia que acho que foram bastante acertadas e nao se ve em lugar nenhum comentando esses fatos... ah também gostaria de falar que gostei de ler o que voce postou pois como disse o fato de sua opinião ser bastante diversa da minha me traz coisas que me enriquecem bastante valeu pssor abraço

Anônimo disse...

E depois que entendemos, isto nos parece tão óbvio que é difícil arranjar paciência para falar aos que se negam a entender. Mas a paciência é uma das prerrogativas para os professores, não é mesmo?